terça-feira, 4 de maio de 2010

BIRRA...


Hoje, durante minhas aulas tive três problemas de "birra" com alunos. O primeiro, simplesmente saiu da aula, arrancou a touca e quando estava saindo, parei-o para perguntar o que estava acontecendo. O aluno me disse que "a mãe dele paga a aula e ele faz a hora que ele quiser".
O segundo caso, sempre que eu tentava corrigir o aluno, ele insistia em ficar com as orelhas dentro da água enquanto eu falava e estava com cara de quem começaria a chorar, então quando eu tentava fazê-lo ir para a borda para conversar com ele, ele me disse "_eu não gosto de você".
No terceiro problema e, curiosamente na terceira aula do dia, tudo estava indo muito bem, com um garotinho novo - eu tinha conseguido que ele entrasse na piscina mais funda, tinha conseguido que ele fizesse "bolinhas", ficasse de costas, quando de repente, começou a chorar - do nada - chamando a mãe (não há nada que me tire mais do sério!). Motivo: tinha entrado água no ouvido!
A mãe, por sua vez, tirou o garoto da aula.
Porque estou falando tudo isso?
Porque estou preocupado com o MEU futuro. Estamos numa época em que exigimos muito de todo mundo, queremos que as coisas sejam cada vez melhores, que nos atendam cada vez com mais dedicação, mas o que estamos fazendo em contra-partida?
Vemos crianças cada vez mais mimadas, cada vez mais sem educação e cada vez menos comprometidas com seja o que for.
Lí há alguns dias, um texto que circula na internet dizendo que esta é a primeira geração que se libertou da escravidão dos pais na educação e, ao mesmo tempo é a primeira geração escrava dos filhos, comprando afeto e dando tudo o que os filhos querem com a desculpa de que "devo dar aos meus filhos tudo o que eu não tive."
Neste panorama, o que o professor deve fazer? Aceitar, ou impor a sua vontade?
Sou da idéia de que na piscina quem manda é o professor! Estamos lá para ensinar a nadar ou seja lá o que for, temos de ser respeitados e obedecidos!
Na certa, muitos educadores, caso lessem o blog, "cairiam de pau" nestas afirmações, dizendo ser um absurdo e coisa e tal, mas ainda sustento a idéia de que se deve haver mais respeito e mais educação nas relações humanas e cá prá nós, como dizia o poeta: Cada um no seu quadrado!

"Não pensem em deixar um planeta melhor para nossos filhos, mas filhos melhores para o nosso planeta - autor desconhecido"

Até mais...

3 comentários:

Raphael Alves disse...

Concordo totalmente com o q vc disse! Tenho tido o mesmo problema com alguns alunos e isso realmente é muito triste...

Eduardo disse...

E ai mixiria...concordo plenamente com vc, acredito realmente que cada vez mais estamos sendo menos respeitados, e vejo isso muitas vezes nas aulas aqui no clube!! Fico pensando será que somos muito exigentes e chatos?

abraço
Edu (CAJ)

Fábio disse...

Olá Mixirica, sou professor e técnico da Acdemia Acqua Sport, vc já deve ter me visto em algum regional da federação, estive ai no paineira na seletiva do kim mollo.
A duas semanas aconteceu isso comigo tb. Um menino que a lagumas aulas na queria fazer nada na aula, bem no horário masi cheio da academia, pedi educadamente que se não quisesse fazer aula ele saisse da piscina, ele olhou pra mim e disse não vou sair pq minha mãe paga. Então entrei na água e Falei pra ele, então tá bom pelo valorzinho que ela paga vc só vai usar este pedacinho da piscina, coloquei outra pessoa na raia dele chamei a coordenadora ela tirou ele da piscina, e sabe o que aconteceu depois, fui recriminado pela coordenadora pq agi errado, ela mudou o menino de professor sendo que ele nem era do nivel da turma do outro professor. Só que eu penso da seguinte forma. Meu trabalho tem que ser bem feito, se o muleke não quer nadar, pode ter certeza que este qdo sair da academia vai sair falando qdo entrar em outras academias, fiz aula com aquele professor, e ai seu trabalho vai ser criticado por pessoas que nunca quiseram nadar.
Então eu prefiro ser um professor chato que faz um bom trabalho e ensina a nadar (que é minha função), do que aquele legal que os alunos só brincam e não nadam nada. Abraços